Ansiedade ?

Oi Gente ! 

                                     Resultado de imagem para valerie tellmann henning

Deitada e ainda acordada na cama do hotel em Washington, DC, na noite anterior a sua audição, a bailarina de ballet de Richmond Valerie Tellmann-Henning foi atormentada com  a ansiedade. Aos 31 anos, ela estava confortável em sua carreira. Tão confortável que ela decidiu buscar novos desafios artísticos. Com o apoio de seu diretor, ela decidiu fazer uma audição para The Suzanne Farrell Ballet com a esperança de fazer malabarismos com dois contratos. A única coisa que estava entre ela e seu objetivo era a ansiedade. “Eu senti como se eu estivesse com 19 anos de novo,  tentando conseguir meu primeiro emprego”, lembra ela. “Isso me fez adivinhar muitas coisas sobre mim: Suzanne vai gostar do meu tipo de corpo? Será que minhas pernas serão suficientemente altas?” O sentimento de ansiedade causou irritabilidade a Tellmann-Henning, e ela até prendeu a respiração dela durante a turma de audição, enquanto uma corrente de inseguranças passava por sua mente.

A ansiedade é um sentimento de medo irracional que combina perfeitamente com o perfeccionismo. A maioria, se não todos, os dançarinos de balé sentirão ansiedade de vez em quando. Na verdade, os psicólogos com os quais falamos disseram que é uma das razões mais comuns pelas quais os dançarinos recebem tratamento. A ansiedade pode adicionar eletricidade ao seu desempenho no palco.

A ansiedade pode matar sua confiança e até mesmo limitar a sua capacidade de viver a sua vida normalmente se não for controlada. Em um campo cheio de situações estressantes – como o elenco, o nervosismo da audição, as renovações de contratos, as contas de montagem e o medo do palco – é importante aprender a identificar a ansiedade, avaliar a seriedade e tomar medidas para lidar com isso antes que isso detenha você a se desenvolver na dança.

Criando equilíbrio

Felizmente, uma vez que seu bem-estar mental e físico estão interligados, existem soluções concretas e tangíveis para ajudar a gerenciar a ansiedade. Porque ser dançarino é inerentemente estressante, diz Goonan, é importante manter o seu “pool de recursos” mental e físico. Isso significa dormir corretamente, comer bem para alimentar seu corpo e ter “boa higiene emocional”, como manter passatempos fora  dança e  tempo para relaxar com os amigos.

Na verdade, se você estiver esgotado fisicamente, sua mente alocará mais esforços para sustentar seu corpo. Como resultado, você será menos psicologicamente capaz de lidar com coisas que o deixam ansioso. “Você não pode puxar de um pool de recursos que está drenado”, aconselha Goonan, que diz que os dançarinos são mais propensos a experimentar ansiedade quando se sentem degradados.

Os passatempos criativos e atléticos realmente têm efeitos terapêuticos e podem ser instrumentos na gestão da ansiedade. Mas desde que a dança caia em ambas as categorias, ela não pode servir como sua única saída emocional do seu trabalho. Goonan encoraja os dançarinos a encontrar coisas criativas ou atléticas – como cozinhar, arte ou yoga – onde a pressão da avaliação está desligada. “Desenhe, escreva em um jornal ou vá ao boliche nos sábados a noite com seus amigos”, ele diz. “Você consegue descobrir a sutil nuance sobre quais queijos vai adicionar no macarrão caseiro?” Talvez você goste de nadar, costurar ou aprender a tocar violão.

Lidar com o Momento –  e depois

Antes de uma grande apresentação você sente a ansiedade nos bastidores, use as técnicas de respiração ou de visualização – podem ajudar a você a se manter calmo. “Imagine a situação ansioso e depois imagine-se se sentindo bem”, diz Kaslow. As respirações profundas também diminuirão sua freqüência cardíaca.

Se a sua ansiedade é persistente durante um longo período de tempo, pode valer a pena avaliar se você está na companhia  certa ou se o programa de treinamento é para você e sua saúde. “Você sempre é o melhor dançarino no lugar que mais gosta”, diz Krutzkamp. Às vezes, a grama do vizinho parece ser mais verde, então não tenha medo de estar aberto para mudar para um lugar onde você pode controlar a pressão e ainda esforça-se para melhorar. “Você não está apenas mudando a cor da grama, você está mudando de diretor”, diz ele. “As companhias são diferente uma das outras”.

Quando procurar a ajuda.

Kaslow assegura que uma certa quantidade de ansiedade é normal. “Algumas pessoas tendem a estar mais ansiosas do que outras e estão bem”, diz ela. Por exemplo, se você se sentir ansioso antes da noite de abertura, Goonan diz que é razoável. Mas se você estiver vomitando antes da apresentação, e a ansiedade não diminuir em apresentações subsequentes ou então experimenta ataques de pânico debilitantes, ele adverte que você pode ter uma doença que precisa ser tratada.

Pergunte a si mesmo: com que frequência os sintomas aparecem? Quanto tempo eles ficam? E quão intensos são os momentos de ansiedade quando acontecem? Mais especificamente, você é capaz de realizar, participar de audições e tomar aula regularmente, ou você se encontra passando oportunidades devido a ataques de pânico ou uma sensação de preocupação irresistível? Infelizmente, não há parâmetros de referência universais para dizer o que a freqüência, o comprimento ou a intensidade da ansiedade são “normais”. Mas, se isso está ficando no caminho da sua vida ou da sua dança, você precisa ser avaliado por um profissional.

Se você entrar em tratamento, Kaslow diz que suas primeiras reuniões irão girar em torno do psicólogo para conhecer você e sua situação antes de ensinar-lhe mecanismos específicos para enfrentar seu problema. “Se pensar em medicamentos, pense bem, pois os  medicamentos tradicionais são altamente viciantes, por isso são  evitados ao máximo.

No caso de Tellmann-Henning, ela sentiu que sua ansiedade estava enraizada em suas deficiências. Então ela trabalhou mentalmente seus pensamentos sobre seus pontos fortes antes -, e durante a audição. Funcionou: ela conseguiu o emprego com The Suzanne Farrell Ballet, onde agora dança quando não está atuando no Richmond Ballet.

“Ser dançarino e ser confiante no que você pode produzir”, diz ela, mas isso nem sempre é fácil, especialmente quando a ansiedade entra em jogo. Em retrospectiva, Tellmann-Henning diz que sua ansiedade realmente revigorou seu amor pelo que ela faz. “Eu acho que se você não tiver momentos como esse”, ela diz, “então talvez seu coração não esteja mais em sua carreira”.

Fonte: Kathleen McGuire é uma ex-dançarina e escritora contribuinte da revista Dance.

Novo whats app: (11) 9.9329.7223

Instagram: moda_ballet

Tel.: (11) 3530.3024

 Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s