Ansiedade ?

Oi Gente ! 

                                     Resultado de imagem para valerie tellmann henning

Deitada e ainda acordada na cama do hotel em Washington, DC, na noite anterior a sua audição, a bailarina de ballet de Richmond Valerie Tellmann-Henning foi atormentada com  a ansiedade. Aos 31 anos, ela estava confortável em sua carreira. Tão confortável que ela decidiu buscar novos desafios artísticos. Com o apoio de seu diretor, ela decidiu fazer uma audição para The Suzanne Farrell Ballet com a esperança de fazer malabarismos com dois contratos. A única coisa que estava entre ela e seu objetivo era a ansiedade. “Eu senti como se eu estivesse com 19 anos de novo,  tentando conseguir meu primeiro emprego”, lembra ela. “Isso me fez adivinhar muitas coisas sobre mim: Suzanne vai gostar do meu tipo de corpo? Será que minhas pernas serão suficientemente altas?” O sentimento de ansiedade causou irritabilidade a Tellmann-Henning, e ela até prendeu a respiração dela durante a turma de audição, enquanto uma corrente de inseguranças passava por sua mente.

A ansiedade é um sentimento de medo irracional que combina perfeitamente com o perfeccionismo. A maioria, se não todos, os dançarinos de balé sentirão ansiedade de vez em quando. Na verdade, os psicólogos com os quais falamos disseram que é uma das razões mais comuns pelas quais os dançarinos recebem tratamento. A ansiedade pode adicionar eletricidade ao seu desempenho no palco.

A ansiedade pode matar sua confiança e até mesmo limitar a sua capacidade de viver a sua vida normalmente se não for controlada. Em um campo cheio de situações estressantes – como o elenco, o nervosismo da audição, as renovações de contratos, as contas de montagem e o medo do palco – é importante aprender a identificar a ansiedade, avaliar a seriedade e tomar medidas para lidar com isso antes que isso detenha você a se desenvolver na dança.

Criando equilíbrio

Felizmente, uma vez que seu bem-estar mental e físico estão interligados, existem soluções concretas e tangíveis para ajudar a gerenciar a ansiedade. Porque ser dançarino é inerentemente estressante, diz Goonan, é importante manter o seu “pool de recursos” mental e físico. Isso significa dormir corretamente, comer bem para alimentar seu corpo e ter “boa higiene emocional”, como manter passatempos fora  dança e  tempo para relaxar com os amigos.

Na verdade, se você estiver esgotado fisicamente, sua mente alocará mais esforços para sustentar seu corpo. Como resultado, você será menos psicologicamente capaz de lidar com coisas que o deixam ansioso. “Você não pode puxar de um pool de recursos que está drenado”, aconselha Goonan, que diz que os dançarinos são mais propensos a experimentar ansiedade quando se sentem degradados.

Os passatempos criativos e atléticos realmente têm efeitos terapêuticos e podem ser instrumentos na gestão da ansiedade. Mas desde que a dança caia em ambas as categorias, ela não pode servir como sua única saída emocional do seu trabalho. Goonan encoraja os dançarinos a encontrar coisas criativas ou atléticas – como cozinhar, arte ou yoga – onde a pressão da avaliação está desligada. “Desenhe, escreva em um jornal ou vá ao boliche nos sábados a noite com seus amigos”, ele diz. “Você consegue descobrir a sutil nuance sobre quais queijos vai adicionar no macarrão caseiro?” Talvez você goste de nadar, costurar ou aprender a tocar violão.

Lidar com o Momento –  e depois

Antes de uma grande apresentação você sente a ansiedade nos bastidores, use as técnicas de respiração ou de visualização – podem ajudar a você a se manter calmo. “Imagine a situação ansioso e depois imagine-se se sentindo bem”, diz Kaslow. As respirações profundas também diminuirão sua freqüência cardíaca.

Se a sua ansiedade é persistente durante um longo período de tempo, pode valer a pena avaliar se você está na companhia  certa ou se o programa de treinamento é para você e sua saúde. “Você sempre é o melhor dançarino no lugar que mais gosta”, diz Krutzkamp. Às vezes, a grama do vizinho parece ser mais verde, então não tenha medo de estar aberto para mudar para um lugar onde você pode controlar a pressão e ainda esforça-se para melhorar. “Você não está apenas mudando a cor da grama, você está mudando de diretor”, diz ele. “As companhias são diferente uma das outras”.

Quando procurar a ajuda.

Kaslow assegura que uma certa quantidade de ansiedade é normal. “Algumas pessoas tendem a estar mais ansiosas do que outras e estão bem”, diz ela. Por exemplo, se você se sentir ansioso antes da noite de abertura, Goonan diz que é razoável. Mas se você estiver vomitando antes da apresentação, e a ansiedade não diminuir em apresentações subsequentes ou então experimenta ataques de pânico debilitantes, ele adverte que você pode ter uma doença que precisa ser tratada.

Pergunte a si mesmo: com que frequência os sintomas aparecem? Quanto tempo eles ficam? E quão intensos são os momentos de ansiedade quando acontecem? Mais especificamente, você é capaz de realizar, participar de audições e tomar aula regularmente, ou você se encontra passando oportunidades devido a ataques de pânico ou uma sensação de preocupação irresistível? Infelizmente, não há parâmetros de referência universais para dizer o que a freqüência, o comprimento ou a intensidade da ansiedade são “normais”. Mas, se isso está ficando no caminho da sua vida ou da sua dança, você precisa ser avaliado por um profissional.

Se você entrar em tratamento, Kaslow diz que suas primeiras reuniões irão girar em torno do psicólogo para conhecer você e sua situação antes de ensinar-lhe mecanismos específicos para enfrentar seu problema. “Se pensar em medicamentos, pense bem, pois os  medicamentos tradicionais são altamente viciantes, por isso são  evitados ao máximo.

No caso de Tellmann-Henning, ela sentiu que sua ansiedade estava enraizada em suas deficiências. Então ela trabalhou mentalmente seus pensamentos sobre seus pontos fortes antes -, e durante a audição. Funcionou: ela conseguiu o emprego com The Suzanne Farrell Ballet, onde agora dança quando não está atuando no Richmond Ballet.

“Ser dançarino e ser confiante no que você pode produzir”, diz ela, mas isso nem sempre é fácil, especialmente quando a ansiedade entra em jogo. Em retrospectiva, Tellmann-Henning diz que sua ansiedade realmente revigorou seu amor pelo que ela faz. “Eu acho que se você não tiver momentos como esse”, ela diz, “então talvez seu coração não esteja mais em sua carreira”.

Fonte: Kathleen McGuire é uma ex-dançarina e escritora contribuinte da revista Dance.

Novo whats app: (11) 9.9329.7223

Instagram: moda_ballet

Tel.: (11) 3530.3024

 Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo
Anúncios

As pessoas mais influentes na dança hoje.

Oi Gente!

A revista Dance está comemorando 90 anos, e resolveu na edição de comemoração fazer a lista dos mais influentes na dança. Mas com a ajuda de dezenas de escritores, artistas e administradores que trabalham na dança, a equipe da Revista Dance apresentou a lista para aqueles que achamos que estão fazendo a maior diferença agora.


Clique nos links abaixo para descobrir por que eles fizeram nossa lista.

Fonte: http://www.dancemagazine.com

Novo whats app: (11) 9.9329.7223

Instagram: moda_ballet

Tel.: (11) 3530.3024

Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo

E se o Festival de Dança não fosse competitivo?

Resultado de imagem para festival de joinville 2017

 

Os anúncios mais esperados de um Festival  não são de nomes de companhias internacionais ou de bailarinos famosos, mas aquelas palavrinhas que, ditas tarde da noite na Feira da Sapatilha, emocionam e fazem vibrar. Estar entre os três primeiros colocados da Mostra Competitiva do Festival de Dança. 

Isso depois de já terem enfrentado uma seletiva rigorosa para estarem entre as centenas coreografias que conquistam o direito de subir ao palco central. Mas será que focar na competição é saudável para os jovens que vivem a ansiedade de esperar pela nota para os minutos que apresentaram em frente aos jurados?

— Acho que isso vai muito de como a escola prepara seus alunos para este momento. Quando há uma competição, ela tem que ser sadia, para que atue na formação de caráter. Ela deve ser clara e não pode ser tendenciosa — avalia o diretor executivo da Cia Adriana Assaf, de São Paulo, Robson Luna, que tem uma longa trajetória de premiações em Joinville.

A diretora do Grupo Corpo Livre, Glauscia Pisciotta, defende a competição desde que ela não seja a prioridade do grupo que se inscreve para concorrer a uma vaga. Para ela, estar entre os escolhidos para a grande arena já deveria ser uma vitória.

— Os trabalhos apresentados no Festival são muito bons, então a premiação deve ser apenas uma consequência. E a competição é importante também, já que é um desafio que ajuda a promover a superação dos bailarinos — afirma.

 

Questão de maturidade

Em 2012, a dançarina e coreógrafa Luana Espíndola, 29 anos, recebeu com surpresa o prêmio de melhor bailarina do 30º Festival de Dança de Joinville. Apesar dos consecutivos primeiros lugares na categoria, ser escolhida para o prêmio máximo na categoria feminina, que geralmente fica com as participantes do clássico, elevou o nome da jovem diretora do Instituto de Orientação Artística (IOA), de Jundiaí, ao dos grandes talentos nacionais.

— Ter recebido o prêmio de melhor bailarina transformou a minha carreira. Os convites para trabalhos aumentaram muito, como bailarina e como coreógrafa. E colocou não só a minha escola mas também a minha cidade em destaque. — disse Luana. 

Por exemplo, se um dos maiores Festivais de dança como o de Joinville, de repente, cancelasse a competição e se transformasse apenas em mostra de dança, no entanto, ela afirma que seus colegas não deixariam de se inscrever. Ainda que sem tanto frio na barriga, o Festival sobreviveria assim como seus outros eventos continuam, com os palcos abertos e a mostra contemporânea de dança.

O coreógrafo Ricardo Scheir, que participou da primeira edição como bailarino, recebeu prêmios de melhor coreógrafo em 2000 e 2004 e seu grupo, o Pavilhão D, tem um histórico de vitórias na Mostra Competitiva, concorda com a jovem bailarina. 

—  O que interessa no Festival de Joinville é a estrutura oferecida. É dançar para 4 mil pessoas numa noite, é a semana de convivência com outros grupos. Mas acho que é questão de maturidade: o meu grupo viria de qualquer jeito, mas acho que a molecada nova precisa da motivação que a competição oferece.

Confira também das opiniões de Lucas David e Marcela Benvegnu

Sou a favor do palco, independente dele ser uma competição ou não. Hoje, no Brasil, as escolas tem poucos palcos para dançar e os festivais minimizam essa carência de pautas em teatros ou oportunidades de se levar uma ou outra coreografia para a cena. A competição é saudável pois te coloca em estado de atenção para ver que tipo de produção, linguagem, técnica e tendência estão sendo apresentadas. Seria falso dizer que não se gosta de ganhar, todo mundo gosta, todo mundo quer. É o reconhecimento do trabalho do diretor, coreógrafo, bailarino. 

Ao mesmo tempo, acho que mostras são interessantes quando se propõe a uma reflexão, uma conversa, uma troca. Se ela não te trouxer um feedback, não funciona. É preciso refletir sobre o seu trabalho, caso contrário, temos apenas uma apresentação atrás da outra.

Marcela Benvegnu é jornalista. Participou do Festival de Joinville como bailarina e atuou como crítica em 2006 e 2007 no caderno AN Festival, de A Notícia. Este ano, é jurada de jazz.

Eu acredito que a arte é um dom divino, talvez uma das maneiras mais preciosas de expressão do ser humano, a necessidade de ser criativo e ter auto estima pra ser um ser crítico e construtivo. Sendo assim, penso que quanto menos criarmos competições, e sim intercâmbios para trocas e mostras de arte, sem alimentar o ego de alguns, e ao mesmo tempo, rebaixar outros, pois a arte não é atletismo (aliás, toda competição é em si uma batalha de guerra) e, sim, poesia que alimenta a alma, devemos incentivar e alimentar as várias formas de recriar a vida, as artes, todas essas expressões. Toda maneira de expressar sua verdade deve ser um passo pra um mundo de igualdades e respeito ao próximo.

Lucas David é professor e diretor de dança. Trabalhou na organização do 2º Festival de Dança, em 1984, e seus alunos participaram do evento nos anos 1980 e 90. 

Fonte:http://anoticia.clicrbs.com.br

Instagram: moda_ballet

Whatsapp ou Telegram: (11) 9.4555.8441

Tel.: (11) 3530.3024

Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo

Aquecimento para o inverno.

Resultado de imagem para collant manga longa                           Resultado de imagem para polaina capezio Resultado de imagem para bota de aquecimento de ballet capezioImagem relacionada

Oi Gente !


Não há como negar o frio, o inverno já, já tá ai ! A aula de dança em clima gelado tem seus desafios. Um desses desafios é usar trajes de dança adequados, que mantenham o seu corpo aquecido o suficiente para evitar lesões. 


Uma dica é chegar um pouco mais cedo na aula para aquecer. Quando está frio, seus músculos estão contraídos e o aquecimento um pouco antes da ual ajuda a manter seu corpo aquecido,  eles precisam ser alongados lentamente antes de começar a dançar.


Coisas que você precisa: Collant  , meia calça, calças, perneiras, malha, polainas, sapatos de dança de aquecimento.


Dicas:

1. Comece com a roupas de dança básica, que é um collant,  meia calça e a sapatos de dança.


2.Coloque um manguito sobre o collant para manter a parte superior do corpo quente. Se você não tem um manguito, você pode usar  um collant  de manga longa, pois permite que você faça os movimentos.


3.Para manter parte inferior  do corpo quente, use perneiras ou calças de aquecimento de dança. Dica: use as perneiras de um modo que cubram bem as pernas.


4.O calçado vai depender do tipo de dança que você faz. Se é uma tipo de dança que não requer sapatos para aquecimento, use meias para o início da aula para fazer o aquecimento, depois retire as meias para evitar que você faça movimentos que possa forçar e causar algum tipo de lesão.


Dicas & advertências

Aqueça seu corpo, porém não permita o sobreaquecimento. Uma vez que você começou a se movimentar, consequentemente começa a aquecer. Você vai chegar no final da aula com minimo de roupa e continuar suando. Porém terminada a aula, não saia sem se agasalhar, mesmo que você tenha muito calor, pois ainda você tem a possibilidade de ter algum tipo lesão.

Fonte https://www.tututix.com

Instagram: moda_ballet

Whatsapp ou Telegram: (11) 9.4555.8441

Tel.: (11) 3530.3024

 Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo





A Bela Adormecida – solo da Princesa Aurora



Fit For a Princess

                                   Hyltin em Aurora’s Act I solo (foto de Paul Kolnik)



Oi Gente !

O Ato I o solo da princesa Aurora da “A Bela Adormecida” capta a exuberância juvenil da jovem princesa. Mas do ponto de vista técnico, seus quatro longos minutos tem múltiplas variações. New York  City Ballet  a bailarina principal Sterling Hyltin diz como dominar o estado de espirito e os tempos.

Fique calma

Na maioria das produções, o solo de Aurora acompanha o Rose Adagio – um dos momentos mais estressantes do ballet clássico. Não deixe que a ansiedade te domine . “É bom que o início da variação seja lento e controlado”, diz Hyltin. “Eu uso a primeira série de balanços em arabesco para me recompor. Você também pode canalizar a energia restante do Rose Adagio – ela pode ajudá-la a projetar o espírito e a energia jovem da Aurora. “

Torne-se  parte do palco

A variação é mais fácil de obter se você interagir com os outros dançarinos no palco. “Eu gosto de imaginar que estou socializando na minha festa de aniversário”, diz Hyltin. “Em teoria, o solo é sobre a Aurora, mas eu tento envolver os outros também. Você está cercado por pretendentes, e eles estão todos se divertindo, contando suas pequenas histórias. Identifique  cada um deles e use sua energia para mantê-los na sua história “.

Envolva-se na música

Criar uma ligação com a pontuação de Tchaikovsky é especialmente útil durante os arabescos de abertura. “Você pode brincar com a subida ou a descida de cada arabesco”, diz Hyltin. “Quando você está focada na sua perna, você pode alterar a expressão quando estiver na ponta. Quando as coisas não funcionam tão bem, você pode se divertir no tombé depois. “

Deixe a parte superior do corpo contar a história

Sem port de bras eficaz, a série saltos em pointe na diagonal pode ter a sensação de ser muito longo. “O trabalho com os pés são simples,  nesse momento você pode usar mais a parte superior do corpo,” Hyltin diz. “Tente gesticular para cada um de seus pretendentes, ou levantando um primeiro braço, em seguida, o outro braço e, finalmente, ambos a quinta. “Cada movimento deve ser elegante e régio. Você quer mostrar que a Aurora será uma rainha maravilhosa algum dia. “

Fique no topo do manège

A variação termina com um desafiante manège de rápidos coupés jetés e giros de piqué, uma expressão de alegria e energia desenfreadas – que pode se sentir como um choque após o ritmo vagaroso das seções precedentes. “Não fique atrás da música!”, Diz Hyltin. “É difícil, porque você está exausto, mas se você está tentando pegar a última seqüência de piqué, você ficará muito tonto. Tente ficar um pouco à frente da batida nos coupés jetés. “E quando você terminar, respire fundo. “Depois deste solo, você via ter a sensação de ter terminando a apresentação”, diz Hyltin, rindo. “Algumas das partes mais difíceis estão bem na frente,  relaxe e aproveite. “


Fonte: http://pointemagazine.com

Instagram: moda_ballet

Whatsapp ou Telegram: (11) 9.4555.8441

Tel.: (11) 3530.3024

Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo

Bailarina e mãe: podemos ser ambos?

Resultado de imagem para Charlotte Vincent ballerina pregnant

Oi Gente!

Charlotte Vincent do teatro da dança de Vincent trabalha com bailarinas  que enfrentam a questão da maternidade.

Como praticante feminista, ela tenta rejeitar os estereótipos de gênero e dança no trabalho que ela faz: “Sempre estou interessada em ver atrizes/bailarinas fortes e que são fisicamente poderosas e emocionalmente expressivas.

Como uma diretora artística que trabalhei nas artes por duas décadas eu enfrento atualmente alguns questionamentos desafiadoras dentro da companhia com os bailarinos que querem criar famílias assim como um novo trabalho. Estou descobrindo que as questões sobre gravidez, maternidade e dança são tão complicadas, complexas e emocionalmente exigentes como o processo de fazer o trabalho em si.

Bebês e ter uma carreira criativa

As bailarinas geralmente dedicam 100% de seu tempo e energia ao processo criativo e às demandas de um estilo de vida em turnê. Ter um estilo de vida transitório torna-se normal e as expectativas em torno da família e parceiros são limitadas, isso é consequência pelo estilo de vida que escolhemos como artistas.

À medida que amadurecemos o relógio biológico entra em ação, algumas bailarinas percebem que deixaram a maternidade tarde demais e algumas decidem que não querem filhos, preferindo a vida na estrada.

Mas o que acontece com aqueles que optam por fazer as duas coisas? Como a dança pode apoiar esses dois atos criativos como uma tandem (bicicleta com dois lugares, onde as pessoas podem pedalar juntas) – fazendo bebês e trabalhando?

A bailarina é geralmente uma pessoa que se preocupa com seu corpo e a função dele para toda vida adulta. O processo de  engravidar para quem já teve o histórico de transtornos alimentares, baixo peso e trabalhos exaustivos,  pode ser frustrante, debilitante e doloroso.

A questão de engravidar enquanto ainda está realizando um trabalho, pode causar um aborto espontâneo. O resultado é do excesso de esforço, especialmente em mães mais velhas. O tipo de trabalho que os bailarinos se envolvem irá também determinar a sua decisão de continuar com ele ou não.

Saltando sobre 120 cadeiras ou caindo sobre um piso de ardósia, você pode pensar duas vezes sobre colocar você e a saúde do seu bebê em risco.

As mulheres que trabalham como bailarinas freelancer têm decisões difíceis a fazer em engravidar. Se pararem de dançar, elas param de ganhar dinheiro – algumas mulheres que não tem relacionamentos estáveis ​​podem optar por não continuar com a gravidez nessas circunstâncias.

Alguns freelancers com parceiros capazes de suportar a aventura da maternidade podem tornar-se financeiramente dependentes pela primeira vez em suas vidas – um ajuste emocional e psicológico difícil para feministas!


Se trabalhar PAYE, as bailarinas recebem uma ajuda de custo para maternidade. No entanto, empregos de dança contemporânea em tempo integral com todos os benefícios não estão amplamente disponíveis na cena de dança experimental do Reino Unido, é limitado dentro da cena contemporânea .

Estamos trabalhando menos do que o habitual por causa das visitas semanais dos parceiros das bailarinas e de seus bebês ao estúdio. Emocionalmente, o dançarino está descobrindo que o sono das noites quebradas com um bebê na época dentição inibe seu tempo de recuperação das noites de sono perdidas, o que pode levar ao cansaço acumulado.

Como precaução, a VDT empregou um sub-estudo totalmente pago para aprender seu papel, pela primeira vez na história da empresa. Arts Council England apoiou este modelo.

Para evitar a perda de nossas melhores bailarinas maduras para  maternidade, devemos fornecer apoio consistente e apropriado para encorajar as mulheres de volta ao trabalho ou vamos criar um ambiente de dança britânica dominada por homens e artistas femininas mais jovens, cujo trabalho é válido, mas talvez carece de profundidade emocional. As muitas maneiras práticas de fazer isso podem ser consideradas e projetadas para cada empresa / indivíduo envolvido, mas podem se beneficiar da política ACE.

Juntamente com estas responsabilidades organizacionais, no entanto, são as considerações do indivíduo e como ela gerencia a mudança psicológica e emocional de artista para mãe e vice-versa. Disseram-me que depois de ter um filho, você muda a sua visão do mundo.


Fonte: https://www.theguardian.com

Instagram: moda_ballet

Whatsapp ou Telegram: (11) 9.4555.8441

Tel.: (11) 3530.3024

Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo

Por mais tempo junto, pai faz balé com filha e sofre preconceito.

Oi Gente!

Para passar mais tempo junto com os filhos talvez seja um dos grandes desafios das famílias das grandes cidades. São as contas, o trabalho, as demandas da casa, alguns dos grandes obstáculos que se colocam no dia a dia de pais e filhos. Pensando justamente em passar mais tempo com a filha Luana, que tem nove anos, Raphael Najan, de 33 anos, decidiu acompanhá-la em uma de suas atividades extra-curriculares.

Mas, o que poderia ser visto como uma boa solução encontrada por ele para estreitar o vínculo com a filha, virou alvo de críticas e preconceito nas redes sociais.  Isso pois Raphael, que é preparador físico e bailarino, decidiu acompanhar a menina em suas aulas de balé.

Pai e filha na aula de balé

Após a iniciativa ter sido pauta de uma matéria do site do Estadão, ele começou a receber críticas e ofensas pelas redes sociais.

De acordo com a reportagem do UOL, não foi a primeira vez que Raphael sofreu preconceito por conta da dança. Ele conta que seu próprio pai relutou muito em aceitar sua escolha profissional.”Eu fico pensando por que uma pessoa se dá ao trabalho de criar um perfil fake só para poder fazer esse tipo de crítica. Mas é o ser humano, né? As pessoas cobram tanto que haja mudanças na sociedade, mas elas mesmas continuam destilando preconceito”, disse Raphael em entrevista ao UOL.

Pai e filha na aula de balé

O bailarino afirma que adoraria que seu outro filho, Miguel, de seis anos, também praticasse balé, mas que acredita que a criança pode já estar influenciada pelo preconceito em relação à prática da modalidade por meninos.

“Uma vez falaram que o pai dele era bailarino e ele ficou bravo, respondeu que não, que o pai dele dançava. Fica a briga dos pais contra sociedade, contra a escola que diz que balé é coisa de menina, que se veste de rosa”.

Instagram: moda_ballet

Whatsapp ou Telegram: (11) 9.4555.8441

Tel.: (11) 3530.3024

Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo